A Onipotência e o Tédio

A limitação é uma necessidade no processo de expansão

O multiverso é composto por infinitos planos existenciais.

Quanto mais sutil o plano, maior a empatia e a unificação com o próximo e menor a identificação com o ego. Quanto mais denso, maior o egoísmo e a sensação de separatividade.

Nas matrizes mais sublimes, as limitações do "nosso eu verdadeiro" são eliminadas e nos tornamos praticamente onipotentes.

Numa realidade superior, o fractal desperto (alma desperta) consegue tornar real tudo o que pensa. Se se imagina em um paraíso tropical idílico, lá estará ele. Se se cansar do ambiente e quiser se tornar criador de mundos, isso se sucederá.

O mesmo fractal terá acesso a todo o conhecimento disponível para aquele estágio consciencial e poderá também contatar outros fractais despertos, trocando consigo valiosas informações.

Se torna um deus, ilimitado em suas possibilidades.

Porém, depois de um longo período, se aflora o grande efeito colateral da onipotência: o tédio.

O fractal, ao longo de sua estrada evolutiva, necessita de desafios e é, na superação desses desafios que se expande consciencialmente e que evolui. O conhecimento adquirido retorna posteriormente à Fonte Primordial, à Deus, e à todos aos que fazem parte de seu universo.

O tédio advém do inconformismo inato, que a estagnação da expansão cognitiva do fractal proporciona.

Depois de um longo período de onipotência em seu plano idílico pós-desencarnação, surge então a modorra e a necessidade de se limitar, de bloquear seus dons divinos a fim de que, nesse cerceamento de seus poderes, possa aprender a superar, criando soluções inéditas para as novas situações, enfrentadas nesses palcos encarnatórios.

Poderíamos dizer que o período que vivenciamos, na etapa de totipotencialidade, trata-se de um descanso numa praia amena, numa montanha idílica, num mundo perfeito...um período de repouso na luz que, à despeito de desfadigar a alma, depois de algum tempo, paralisa certos aspectos do fractal.

Já a etapa que passamos em nossas descidas vibracionais, até o plano encarnatório mais denso, inicia o período de batalhas, de desafios, de trabalho, de superação, de aprendizagem...um período de labuta nas sombras que, não obstante a expansão que proporciona pode, em tempo excessivo, engalfinhar certas almas que se identificarem maiormente com o negativo.

Dependendo da intenção e do nível consciencial de cada fractal, ele escolherá um universo específico para a sua descida vibratória, uns escolherão desafios mais difíceis, outros mais amenos, mas todos adquirindo experiências para si e para a Fonte Primordial (que, como já mencionado em outros vídeos, não passa de outro aspecto de nós mesmos).

O tempo inexiste nos planos mais etéreos, mais é percebido, de modo real, como cansativamente lento e sequencial, nos planos mais grosseiros. Isso faz com que alguns fractais escolham palcos existenciais mais difíceis, como o esquema encarnacional da nossa densidade 3 (a densidade dos planetas-prisão), onde as limitações são muito severas, o que enseja um ambiente sumamente negativo. Nesse meio, as adversidades e os extremos limites de polarização, fazem com que a expansão consciencial se processe num ritmo muito rápido, adquirindo-se grande bagagem, em menor tempo.

Outros escolhem recantos mais amenos, como o esquema encarnacional da densidade 5, onde a telepatia é permitida, como também o contato com civilizações de outros orbes, além de a intuição estar enormemente incrementada. Nesses ambientes, em razão da estabilidade do meio, tudo acontece de forma mais lenta, inclusive o crescimento individual.

Destacamos sempre, o incalculável valor que tem os fráteres, encarnados aqui em Gaia. Grande parte de nós somos sementes estelares, encaixados aqui em algum momento de nossa linha temporal. Ajudamos a elevar o nível vibracional do planeta, por meio de gigantesco sacrifício pessoal. Se deem importância, sem se deixar abarcar pela soberba, porquanto a absoluta maioria de seres de orbes evoluídos, pertencentes ao nosso quadrante galáctico, se recusaram peremptoriamente a encarnar aqui, a fim de auxiliar nessa tarefa, em razão do ambiente deletério e negativo que aqui encontrariam.

Sinceros desejos de Ascensão
Conscendo Sodalitas