A Verdade Sobre As Cidades Astrais

Do que se tratam Nosso Lar e urbes astrais afins


Saudações aos fráteres e sórores da Conscendo,

O plano astral trata-se de uma dimensão mais sutil do que a física, no qual os indivíduos desencarnados obrigatoriamente adentram, depois do desenlace do corpo de carne.

É composto por matéria mais etérea que a física, a qual é mais facilmente moldada pela vontade, dos que ali habitam temporariamente. Sendo assim, as criações mentais são mais facilmente materializadas nesse ambiente, tendo o pensamento, uma atuação mais significativa na modificação do cenário.

É também chamado de plano emocional, pois os sentimentos, tanto positivos, quanto negativos, são maximizados nos seres que aí habitam, bem como as carências habituais, reais no plano físico, como a fome, sede e vícios, mas que aí são apenas ilusões induzidas pelo costume diário, na recente encarnação.

Dessa forma, sentimentos de ódio, inveja, recalques e outros, ligados à polaridade negativa, são aí recrudescidos, bem como os sintomas de abstinência de certos excessos, relacionados à bulimia, alcoolismo, drogas e demais vícios.

Ainda é um plano ligado à quarentena terrena, ao planeta-prisão, à roda de Samsara, um lugar de reciclagem, onde as almas aguardam um certo tempo, antes de uma nova encarnação no físico do 3D terreno. Esse nível existencial, bem como os subplanos do mental concreto, ainda fazem parte, portanto, do holograma do engano, da matrix do claustro, que nos aprisona aqui em Gaia.

O plano astral é dividido em sete subplanos distintos, cada um abrigando diferentes tipos de entidades, de tal forma, que os indivíduos que habitam os planos mais densos do astral, são incapazes de perceber os dos planos mais sutis, mesmo que estejam ocupando o mesmo espaço.

Os 3 subplanos mais grosseiros, ou seja o sétimo, sexto e quinto, são denominados de subplanos umbralinos, que formam vales pestilentos e cidades decadentes, onde são abrigados os seres mais apegados ao negativo; são os psicopatas, carregados de crimes, os suicidas, plenos de remorso, os neuróticos, auto-incutidos de falsas culpas cármicas, os religiosos carolas iludidos, os ingênuos, etc.

Nesses subplanos deletérios do astral, também se focam seres extremamente negativos, atuantes na formação e na manutenção da matrix de sofrimento da Terra, como os arcontes, reptilianos e seres atemporais vampirescos, cujo único propósito é provocar o caos e o sofrimento, a fim de se alimentarem dessas emanações.

Os níveis mais altos do astral, compostos do quarto ao primeiro níveis, dão morada às cidades astrais, que abrigam a maioria da população terrena desencarnada.

Esses urbes astrais são criados pelo pensamento grupal de uma comunidade afim, por isso mesmo, a cidade astral de um católico é bem diversa da de um budista, pois a idéia do que um vai esperar depois da morte é bem diferente da do outro.

Em consequência, um espírita que desencarna, pela afinidade vibratória, será atraído para uma de suas colônias espirituais, como Nosso Lar, do conhecido filme. Um católico poderá ir para uma cidade afim, onde viverá com seus semelhantes, frequentando suas igrejas, ou mesmo tocando suas arpas, se assim se focalizar.

Depois de algum tempo, os dirigentes desses centros urbanos astrais, invariavelmente, direcionarão seus habitantes para um novo ciclo encarnatório de sofrimento, aqui mesmo na Terra, depois de feito novo contrato, onde o ser concorda com o apagamento da memória e reintrodução na matrix física, com o propósito de purgar seus karmas e pecados, para poder evoluir espiritualmente.

Tudo não passa de um engodo, de manipulação mental, onde falsos karmas são imputados, originando injustificada culpa, reforçada pelos ensinamentos religiosos, que o indivíduo recebeu em vida (assista o vídeo "Karma, uma Auto-Criação").

O amado fráter tem que estar ciente que o mecanismo reencarnatório em Gaia, não passa de um modo de perpetuação de sofrimento, para suprimento de energias deletérias aos seres abjetos que a governam (assista o vídeo "Reencarnação ou Reenganação").

Essas cidades astrais são justamente chamadas de cidades de reciclagem, uma vez que elas não oferecem nenhuma opção que não seja uma nova encarnação, aqui mesmo em Gaia, suprimindo a informação de que temos a opção de reencarnar em outros orbes, quando assim desejarmos.

Muitas delas, são metrópoles magistrais, translúcidas, modernas, com amenidades mais avançadas do que as cidades do físico terreno. Mas não são paraísos, uma vez que seus habitantes expressarão as mesmas qualidades e defeitos do ambiente terreno; assim sendo, ainda existirá a inveja, disputa, soberba, ira, etc. Mesmo o dinheiro ainda persiste, porquanto, a maioria delas tem aquisições baseadas no bônus/hora trabalhada.

Uma vez penetrado numa dessas cidades astrais, o ser sofre uma lavagem cerebral, porquanto os próprios seres diretores desses centros urbanos acreditam no que apregoam, uma vez que, eles mesmos, sofreram manipulação mental arcôntica. A própria governança desconhece o funcionamento universal e crê estar fazendo o correto, destarte estar perpetuando a roda de Samsara de sofrimento.

Quando se adentra esses centros, difícil escapar, uma vez que existem barreiras magnéticas e, os indivíduos que assim procedem, são taxados de pouco espiritualizados, ou desconhecedores da verdade. Não há como convencer os fanáticos que ali habitam.

O fráter tem que saber que somos seres livres, fractais totipotentes, expressões individualizadas do Pai, e temos o lívre-arbítreo como direito sagrado. Não somos obrigados a reencarnar perpetuamente no 3D fisico terreno. Temos que estar a par que existem milhares de outras opções de reencarnação, em milhares de outros orbes, que estão ao alcance de nosso nível vibracional, e isso é escondido propositalmente da absoluta maioria, com o propósito de eternizar o sofrimento.

Vivemos em uma época singular, onde o conhecimento está disponível à todos, por meio da rede global da internet, como nunca esteve em outras épocas. No passado, informações como essas ficavam acessíveis somente à secretíssimos, exíguos e egoístas grupos de iniciados. Aproveitemos a oportunidade, pois o futuro é incerto e há a possibilidade desse conhecimento se perder ("assista o vídeo "Fugindo da 3D para a 5D").

Sinceros desejos de Ascensão
Conscendo Sodalitas