A Singularidade Cósmica

Tudo não passa de uma ilusão


Saudações aos fráteres e sórores da Conscendo,

Não há passado, não há futuro, não existem densidades ou dimensões, nem mesmo você e os outros, não há matéria e espírito, não existem a dualidade, a individualidade e a divindade... Tudo não passa de uma ilusão... O que há, na realidade, é a singularidade, Você, o Infinitamente grande e potente contido no Infinitamente pequeno, de forma ambígua, verso e reverso.

A única coisa real nos multiversos é a consciência manifestada, fragmentada ou unificada, expansiva e criadora. O paradoxal Uno pseudo-dualizado, que se limita em sua grandeza, para poder se expressar e expandir.

O Uno, o Deus adorado de nossas crenças, longe está da aclamada perfeição, uma vez que o que é perfeito se nulifica. O que é dotado de todas as qualidades possíveis, em seu grau máximo e infinito, prescinde de expressão, porquanto que o que é perfeito não carece de nada, nem mesmo da expressão, já que é uma incongruência aperfeiçoar o indefecto.

Deus, em verdade, é o que se posta em um dos degraus da Escada de Jacó, como Nós, e que fita infinitos Seres à frente e acima de Si, como também infindáveis Outros atrás e abaixo. O Deus Uno e perfeito só pode ser concebido mentalmente, intuicionalmente e paradoxalmente, como a Singularidade postada no degrau mais alto dessa escada infinita.

Deus, Você, em seu sono Brahmânico, o Pralaya, é imanifesto, o um indiferenciado, a singularidade "totipotente" inexpressa. Ele, para nossa visão limitada, é perfeito em todos os sentidos. Mas o perfeito em todos os sentidos não tem necessidade de nada, nem mesmo de se manifestar. A manifestação tem que ter um propósito, o de ganhar algum tipo de experiência. Mas que experiência ganha alguém que já é perfeito. Deus só é perfeito frente à nossa percepção restrita, à nossa existência de dons bloqueados. Em uma visão mais ampliada Deus não é perfeito e carece de evolução e expansão.

A mente divina então, a fim de evoluir, expandir, sai do torporoso pralaya e se binariza: o um se torna dois e o binário gera os filhos, com infinitas personalidades. Os filhos são suas crias, parte dele, unos com Si. São os fractais divinos, o próprio Deus Criador, dualizado e limitado nos mais variados graus em seus poderes originais, com o propósito de experimentar e expandir.

Sendo assim, não existem você e os outros, a individualidade é uma ilusão. Somos todos emanações da mesma Fonte, fractais ou cópias perfeitas do Pai, somos o próprio Deus fractalizado e limitado, bem como todos os outros indivíduos. O próximo, repetimos, não passa de outro aspecto de nós mesmos.

O tempo na mente divina portanto, na nossa mente superior, não é percebido sequencialmente; passado presente e futuro são uma coisa somente, um filme já assistido. A limitação que se atribui aos fractais embrenhados na ditas "densidades mais toscas" tem a finalidade única de capacitar a expansão do fractal divino limitado, e conciliar experiências, trazendo-as de volta à Fonte.

As densidades ou dimensões são apenas pseudo-realidades originadas pela mente divina, ilusões forjadas por Si e pela Coletividade Fractal, cada qual com suas características específicas, as quais permitirão uma miríade de experiências para Ele/Nós. O que eventualmente não se sabe é que somos seres multidimensionais, e que nos fazemos presentes em todas as dimensões simultâneamente e, se estamos vivendo atualmente na Terra 3D, isso acontece pois direcionamos nosso ponto focal para essa frequência de pseudo-realidade.

As densidades e dimensões são confundidas pelos terrenos, não sem motivo, uma vez que são igualmente cenários da mente divina, que se adequam propositalmente às limitações exigidas pelos fractais que ali habitarão.

O mesmo se aplica à matéria e espírito. Na visão de um verme que habita a espessa lama, o verme que vive em um meio aerado reside no plano espiritual. Tudo é relativo. Como existem infinitos estados de matéria, tanto para "cima", quanto para "baixo" a Terra 3D pode ser considerada um plano espiritual para aqueles que vivem em meios mais densos. Vamos citar um exemplo: os dois níveis mais toscos do astral terreno tem atmosfera comparada com a do piche; imaginem a dificuldade em se viver em um meio desses, nessa escuridão pastosa. Para eles, a "realidade" da Terra 3D seria comparada a um plano "espiritual". E notem que se trata de um plano 4D que, teoricamente teria que ser mais etéreo que o 3D. Isso não importa, o que tem relevância é a experiência.

Tudo não passa de uma ilusão, a única coisa real nisso tudo, repetimos, são as consciências que atuam nesse palco universal.

A despeito de tudo não passar de ilusão, nada nos multiversos é sem propósito, trata-se de ilusão com uma meta, a da expansão, nossa e de Deus ou, falando de outra forma, de nós como Deus e dos outros fractais.

A ilusão 3D Terra, não passa de mais um capítulo de nossas experiências focais multidimensionais. Existe muita revolta hoje em dia, em parte justificada, uma vez que a maioria dos índigos reencarnaram-se na densidade 3D da Terra, com a promessa de que a mudança dos destinos planetário aconteceria logo após o advento do terceiro milênio, fato que não ocorreu, em razão de atrasos na lida com a facção regressiva. Esse fato gerou frustração e, não obstante desagradável, agregou experiência à nossa bagagem.

O desânimo obumbra nossa alma, bem como nossas qualidades. Não nos deixemos abater uma vez que percebemos que a paciência será recompensada.

A guerra pelos destinos de Terra/Tara/Gaia já está definida e o desfecho próximo. Qualquer que seja o resultado, a consciência tranquila do dever cumprido nos deu poder para nos posicionar em qualquer nova "realidade" que desejarmos.

Sinceros desejos de Ascensão
Conscendo Sodalitas