Conscendo Sodalitas


• Gnose Avançada


Sugerimos enfaticamente que o frater que se aventurar por esses capítulos já esteja suficientemente a par dos 'princípios básicos' da ciência esotérica, apesar de 'o básico' sempre estar num patamar relativo.

O perigo de se por a par da composição e fisiologia cósmica, sem entender seus elementos primordiais, reside numa possível má interpretação das exposições e numa queda na melancolia, como um aluno que entra diretamente na faculdade, sem os cursos básicos, e que não consegue acompanhar a turma, deprimindo-se.

A infinitude cósmica tende a nos chocar, pois quanto mais nos aprofundamos em sua compreensão, mais percebemos que quase nada sabemos, e mais nos tornamos cientes de nossa insignificância.

Os paradoxos são uma regra uma vez que, apesar de entendermos a nossa pequenez, olhamos para o nosso interior e percebemos o infinito e a magnitude dos multiversos sem fim que abrigamos.

O entendimento desses fatos, nos leva, por vezes, a conceber o cosmos infinito como um grande computador, onde a matemática fria e insensível predomina. Se nos desviamos para esse caminho, tornamo-nos, de certo modo ateus. Esse é o maior perigo existente no aprofundamento dos estudos esotéricos; as regras existem em qualquer sistema que visa organização, sendo assim o cosmos é regido por Potestades Amorosas e por suas leis cármicas, que visam somente a evolução.

Longe da frieza aparente das leis evolutivas cósmicas, Deus e seus Filhos Maiores visam nos ensinar a lição mais importante de todas, expressa pelo sentimento mais nobre existente, que nos tornará os mais felizes o quanto pudermos ser, que agregará em nós nossos amados e que nos permitirá remover montanhas, mundos e realidades numa piscadela: o Amor sincero e altruísta.

Outro perigo residente nos estudos avançados é a carolice que alguns tendem a assimilar. Sobriedade é uma das chaves para o sucesso no progresso da senda. Carolice é orgulho disfarçado, nos trava o progresso, pois agimos forçadamente com modos que não são nossos; tira-nos a espontaneidade. Encontramo-nos num estágio que o senso crítico, auxiliado pelo desenvolvimento intuitivo, deve ser exercitado ao máximo e, para isso, não podem estar presentes nem o pessimismo matemático, de características ateicas, nem o carolismo, que demencia a mente. Aliemos sobriedade, conhecimento e boas intenções e brevemente atingiremos nossos objetivos.

Por mais que nos choquem as novas descobertas, fiquemos em paz, somos imortais, o cosmos é regido pelo amor e não pelo ódio e o Deus supremo infinito, inalcançável, vela realmente pelos seus filhos; nunca estaremos desamparados.