Comitê dos 300


Introdução


O Comitê dos 300 é um dos principais órgãos que regem o mundo. É formado por muitas das famílias reais e de banqueiros ricos. O Comitê se desenvolveu a partir da East India Company, que, por sua vez, tinha ligações com a "Nobreza Negra Européia". A parte superior do corpo que rege o Comitê dos 300 é conhecida como os "Olímpicos", porque se sentam no Olimpo como os deuses gregos. O topo do Comitê dos 300 é ocupado pela rainha Elizabeth II, seguida de perto por Evelyn de Rothschild.

O principal objetivo do Comitê dos 300 é a implantação de uma Nova Ordem Mundial comunista, onde a classe média desaparecerá, existindo apenas governantes e servos. Eles querem o controle completo sobre os recursos do mundo e estão fortemente envolvidos com a eugenia e a criação de uma "Raça Superior".

É uma sociedade altamente secreta, composta da classe governante intocável, que inclui a rainha da Inglaterra, a rainha da Holanda, a rainha da Dinamarca e a maioria das famílias reais da Europa. Esses aristocratas decidiram, quando a Rainha Vitória faleceu, que, para que conseguissem o governo absoluto do mundo, seria necessário que seus membros fizessem "negócios" com os não aristocratas, mas que são extremamente poderosos, em razão do poder monetário que detêm, como os grandes banqueiros e os donos de megaempresas de nível global. Dessa forma, as portas para o poder total se abriram para "os comuns", como a rainha da Inglaterra gosta de chamá-los.

Chefes de Estado de outros países se referem a este órgão onipotente como "Os Magos". Stalin criou a sua própria frase para descrevê-los: "As Forças Tenebrosas", e o presidente Eisenhower, que jamais conseguiu passar do nível "hofjuden" (Judeu da Corte), se referiu a isso em uma declaração que, de maneira alguma, define exatamente o que são. Ele disse que se tratavam do "complexo industrial militar".

O Comitê dos 300 e os Illuminati se confundem, tal a equidade de seus componentes.